0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Se meu blog deixasse eu daria 6 estrelas para Buenos Aires. A principal cidade da argentina é vívida e multicultural, porém sem nunca perder o drama e o modismo porteño.

buenos aires

Obelisco

Eu acredito que as cidades mais plurais do mundo não devem ser visitadas, mas sim sentidas. Andar pelas ruas de Buenos Aires é se deparar com o antigo e o novo convivendo harmoniosamente. A arquitetura histórica é cuidadosamente mantida dando um ar “europeu” a cidade (Buenos Aires é considerada a cidade mais “européia” da América). O charme da cidade se estende desde a incrivelmente grande Av. Independência, passando pela moderna Puerto Madero chegando ruelas de San Telmo.

Desde engravatados apressados, viajantes lotando os pontos turísticos, os parques utilizados como praia para tomar sol e a pluralidade da noite porteña são um prato cheio para quem é apaixonado por cultura, comportamento e, principalmente, por pessoas.

buenos aires

Música na Ponte em Puerto Madero

Buenos Aires e as pessoas

A história de Buenos Aires e a história da Argentina se unem e se separam durante o tempo. A capital em alguns momentos chegou a ser um distrito autônomo do país e depois de muitas disputas internas foi finalmente anexada e declarada capital. Isso explica um pouco da diferença de comportamento entre os porteños (nascidos em Buenos Aires) e o restante dos Argentinos. É comum ouvir de um argentino algo como “Eu nasci em La Plata (província de BA) mas não sou porteño viu?”.

buenos aires

Banda de rock tocando na rua na Feira de San Telmo

Realmente a primeira impressão mostra o povo argentino bem diferente do povo porteño. Enquanto o pessoal do interior é mais solicito, conversador, amigável e prestativo o porteño passa a impressão de ser prepotente, egoísta, individualista e acha que é mais importante que o resto, afinal, BA tem quase 1/3 da população argentina e é o centro econômico do país. A cidade é, juntamente com São Paulo e a Cidade do México, uma das 3 cidades da América Latina consideradas “Alpha”, isto é, de grande relevância econômica para o mundo.

Se você se interessa sobre qual a relevância não só econômica, mas cultural desses tipos de cidades no mundo globalizado há uma ótima palestra do TED sobre o assunto.

Bom…essa seria a primeira impressão, mas creio que é um mal de cidade grande, pois em todas as metrópoles que visitei o povo tem uma tendência ao individualismo, talvez para se proteger contra tudo que uma cidade grande trás (ainda vou escrever um post sobre isso).

buenos aires

Parques de Buenos Aires

Nos 150 anos de independência da argentina a capital também serviu de porto seguro para milhares de imigrantes, principalmente vindos da Europa em busca de oportunidades e trabalho, italianos e espanhóis dominavam os navios que atracavam no porto. Portanto qualquer associação entre porteños e italianos não é mera coincidência.

Falar alto, gesticular, brigar, ser romântico e intenso está nos genes do argentino. Essa dramaticidade intrínseca (e que encanta a muitas mulheres européias e é alvo de crítica das argentinas) é muito aflorada talvez devido ao histórico político e econômico bem turbulento do país. Por onde passar toda essa intensidade é representada através da arte, das intervenções e principalmente de um dos símbolos do país, o Tango.

buenos aires

Típica casa do bairro La Boca

Em bairros mais tradicionais como San Telmo e La Boca com certeza você vai presenciar pessoas dançando tango nas praças (em La Boca de uma maneira mais “turística” eu diria). A paixão do argentino pela sua nação e cultura faz com que Buenos Aires seja a metrópole com uma identidade mais própria que já visitei. Geralmente as cidades “Alpha” acabam perdendo sua identidade nacional, e isso não ainda não ocorreu com a capital da Argentina.

buenos aires

Mafalda, personagem porteña que se tornou mundialmente famosa.

Buenos Aires e o turismo

Buenos Aires é a cidade mais visitada da América do Sul (a frente do Rio de Janeiro) e a segunda da América Latina (atrás somente da Cidade do México). A quantidade de museus, shows, eventos e uma gama infinita de opções noturnas faz com que sempre tenha algo novo para ver ou fazer em Buenos Aires, não importa quanto tempo fique por lá.

buenos aires

Museu de Bellas Artes

Se gosta de arte recomendo muito visitar o Museu de Bellas Artes com seu acervo permanente gigante e o MALBA (Museu de Arte Latino Americana de Buenos Aires) que centraliza boas exposições de arte do século XX em diante, além de ter uma réplica do topo do Obelisco com telas em HD transmitindo em tempo real através de câmeras instaladas no mesmo.

Se busca história o Teatro Colón é uma boa pedida. Ele foi o maior teatro do mundo até a construção do Teatro de Sidney, na Austrália. Hoje é considerado um dos 3 melhores teatros de ópera do mundo pela National Geographic e uma das 5 melhores acústicas do mundo. Todos os domingos existem apresentações gratuitas, mas o ingresso deve ser retirado com antecedência, geralmente são bem concorridos.

buenos aires

Teatro Colón. Já foi o maior teatro do mundo e ainda é considerado um dos de melhor acústica.

Outro lugar indispensável é o Museu do Bicentenário. Ele foi inaugurado em 2011 e fica logo atrás da Casa Rosada. A entrada é gratuita e lá se pode conferir toda a história da Argentina (desde a independência até o governo de Cristina Kischner) através de vídeos muito bem feitos e artigos históricos em cada bloco.

O cemitério da Recoleta é outro ponto estratégico, lá estão enterrados grandes personalidades da Argentina, incluindo o corpo de Eva Perón.

Uma caminhada pelos belos parques da Avenida Independência também é uma possibilidade para compartilhar da calmaria que a natureza mesmo no meio da cidade grande.

buenos aires

Cemitério de Recoleta

 

Buenos Aires e a história

A história da Argentina é bem intensa, inconstante e tumultuada. Acho que isso se reflete bem no comportamento do povo.

Se for no Museu del Bicentenário poderá entender muito da história do país, principalmente dos vários golpes militares que marcaram sua população. Para ter um pouco de noção enquanto o Brasil teve cerca de 3.000 desaparecidos durante o período ditatorial a Argentina contabiliza 10x mais.

Todas as quintas as mães de maio (grupo de mulheres que perderam seus filhos para a ditadura) fazem uma caminhada simbólica ao redor do monumento em frente a Casa Rosada como manifestação e recordação das atrocidades cometidas naquela época.

buenos aires

Manifestação pró-Cristina em frente a Casa Rosada. Cristina aprovou o casamento igualitário na Argentina durante seu mandato.

Logo depois da série  de intercâmbios entre governos eleitos democraticamente (muitas vezes não tão democraticamente assim) e golpes militares houve um presidente (do qual o nome não pode nem pronunciar no país) que quebrou economicamente a Argentina, deixando mais de 50% da população miserável. Mercados eram saqueados por pessoas esfomeadas, e manifestantes faziam panelaços nas ruas. E isso não faz tanto tempo assim, foi em 2000.

O governo Kischner com Nestor pôs novamente o país nos eixos e depois de 16 anos de esquerda novamente a argentina demonstrou ter um povo pragmático. Pôs um governante de extrema direita que está mudando muito a economia do país, se é para o bem ou para o mal o povo está esperando para ver.

Casa Rosada preparada para as constantes manifestações pró-Kischner.

E assim é Buenos Aires e seu povo, uma cidade de extremos. Na dramaticidade, no contraste arquitetônico e na diversidade e intensidade cultural. Uma cidade que vale ser vivenciada e sentida. Uma cidade para se tomar cuidado pois é incrivelmente apaixonante. Com certeza, se você tiver o mesmo estilo que eu, ficar por lá vai passar pela sua cabeça.

Domingo no Parque

 

Comentários

comentários